07 abril 2010

INCIDENTES E EXPOSIÇÃO AO COMANDO GERAL DA GNR - Trofense 0-1 Beira-mar [1]

Quem esteve na Trofa ou assistiu ao jogo na televisão soube da ocorrência de alguns incidentes que envolveram os adeptos do SC Beira-Mar e a Polícia, no sector destinado aos adeptos visitantes, logo a seguir ao golo apontado por Artur (aos 73´).
Em quase duas décadas a acompanhar o SC Beira-Mar em muitas deslocações, esta foi a segunda vez que presenciei um comportamento desta índole por parte da Polícia. A primeira vez foi na época 2003-2004, em Moreira de Cónegos, uma cena triste também protagonizada pela GNR. Muito se fala da violência protagonizada pelas claques de futebol, mas o que a maioria das pessoas desconhece é que, de volta e meia, estão os adeptos tranquilos e são as autoridades que deviam promover a segurança de todos nós que se lembram de promover a violência sobre nós. A título pessoal, enquanto espectador de espectáculos desportivos, indignado com o que assisti na Trofa, decidi dirigir uma Exposição ao Comandante Geral da GNR, com conhecimento ao Ministério da Administração Interna, Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, Direcção de Justiça e Disciplina da GNR, Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Conselho para a Ética e Segurança no Desporto, Clube Desportivo Trofense e Sport Clube Beira-Mar.
Agradeço ao Pedro Nuno a foto que ilustra este post.

Aqui reproduzo, na íntegra, o teor da referida Exposição:

Comando Geral da Guarda Nacional Republicana
Largo do Carmo
1200-092 Lisboa

Aveiro, 4 de Abril de 2010


Assunto: Intervenção da GNR no jogo CD Trofense / SC Beira-Mar



Exmo. Sr. Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana;



No passado dia 2 de Abril, feriado nacional, desloquei-me ao Estádio do Clube Desportivo Trofense, na Cidade da Trofa, para assistir ao jogo de futebol CD Trofense / SC Beira-Mar, referente à 25ª jornada da Liga Vitalis.

Sendo eu adepto do SC Beira-Mar, assisti ao jogo no sector destinado aos adeptos visitantes, juntamente com cerca de seis dezenas de espectadores afectos ao mesmo clube.

Desde o momento da chegada dos adeptos ao estádio, que os ARD (Assistentes de Recinto Desportivo) presentes no local zelaram para que o corredor existente entre o muro que separa a bancada do relvado e a primeira fila de cadeiras da bancada estivesse desobstruído, encaminhando os espectadores para as cadeiras da bancada. Os adeptos do SC Beira-Mar acataram pacificamente essa instrução e respeitaram-na sem qualquer tipo de perturbação até aos 73 minutos de jogo, altura em que o SC Beira-Mar marcou o primeiro e único golo do jogo. Na euforia dos festejos, alguns adeptos acercaram-se junto do referido muro, ocupando momentaneamente o corredor, rejubilando com o golo alcançado pela sua equipa. Numa situação normal, igual a tantas outras que já assisti em centenas de jogos que ao longo da minha vida presenciei, após aquele momento de celebração, os adeptos voltariam tranquilamente para os seus lugares sem qualquer incidente. No entanto, na Trofa assim não aconteceu. Vamos aos factos:

1. Aquando do golo do SC Beira-Mar, alguns adeptos celebrando o golo da sua equipa, ocuparam momentaneamente o corredor e aproximam-se do muro, sem qualquer indício de violência ou intenção de perturbar o jogo;
2. Sem que nada o fizesse prever, vários elementos do Destacamento de Intervenção do Porto, da Guarda Nacional Republicana, que se encontravam próximos daquele local, entram no sector dos adeptos do SC Beira-Mar e empurram, com uma agressividade desmesurada, todas as pessoas que se encontravam momentaneamente a celebrar o golo no referido corredor;
3. Na sequência dos empurrões protagonizados pelos elementos da GNR, registaram-se várias quedas de adeptos, inclusivamente, de pessoas com uma idade mais avançada, gerando a indignação das pessoas que, como eu, assistimos incrédulos à actuação despropositada e desproporcional da GNR;
4. Perante a intervenção de alguns adeptos que tentaram controlar a fúria dos elementos da GNR sobre os outros adeptos, alguns deles menores de idade, os elementos da GNR reagiram à «bastonada» indiscriminadamente.
5. Vários adeptos foram atingidos pelos bastões dos elementos do Destacamento de Intervenção do Porto.
6. Dois adeptos do SC Beira-Mar foram expulsos do estádio, só se entendendo a expulsão de um deles por ter acendido um «pote de fumo», na bancada, aquando do golo da sua equipa. Note-se que esse adepto não estava no corredor aquando da intervenção da GNR;
7. A abordagem dos elementos da GNR aos dois adeptos foi extremamente hostil e agressiva, tratando-os sem qualquer dignidade, agarrando-os e empurrando-os desnecessariamente;
8. Perante a indignação dos restantes adeptos que se encontravam naquele sector, alguns elementos da GNR não se coibiram de proferir ameaças e, inclusivamente, dirigir provocações aos adeptos mais exaltados, contribuindo para “inflamar” ainda mais os ânimos;
9. Os incidentes só não foram mais graves devido à actuação de alguns adeptos que tiveram um papel fundamental a acalmar os adeptos mais exaltados e a mediar as situações de tensão provocadas, sobretudo, pela postura agressiva, ameaçadora e provocadora dos elementos da GNR;
10. Os dois ARD presentes naquele local tiveram um comportamento irrepreensível, mantendo uma postura serena, ajudando a acalmar os adeptos e os elementos da GNR mais exaltados.

No final do jogo, ainda incrédulo com o sucedido, questionei aquele que julgo ser o responsável pelo policiamento do referido jogo, sobre os motivos daquela intervenção em força da polícia sobre os adeptos. A resposta que obtive foi lacónica: “O senhor sabe muito bem”. Eu insisti e repeti a pergunta, dizendo-lhe não saber ao que se referia, ao que me respondeu “Os senhores também não agiram bem”. Fiquei perplexo perante estas respostas vindas de alguém que desempenha uma função de segurança e de autoridade pública.

Em momento algum do jogo a ordem pública esteve em causa. Nada justificou a intervenção da polícia e, muito menos, a aplicação da força e da violência sobre os adeptos. Os agentes da autoridade conseguiram transformar um momento de festa e de celebração – o golo do SC Beira-Mar – num pretexto para protagonizar uma cena triste e nada dignificante.

Bem sei que existem vários fenómenos de violência associados ao desporto e compreendo que, à partida para um jogo, as forças de segurança adoptem uma postura de prevenção e de especial atenção, sobretudo, aos adeptos afectos aos clubes visitantes. No entanto, não posso tolerar que, num Estado de Direito, aqueles em quem confiamos a nossa segurança sejam os primeiros a criar e a alimentar situações de conflito e violência num palco que devia ser, primordialmente, de festa e sã convivência.

Convicto que a conduta dos elementos do Destacamento de Intervenção do Porto no aludido jogo não obedeceu aos princípios que norteiam a missão da Guarda Nacional Republicana, tomei a iniciativa de dar conhecimento destes factos a V. Exa. para que possa agir em conformidade.

Grato pela atenção dispensada, fico à disposição para qualquer esclarecimento adicional sobre esta matéria que entenda por conveniente.


Atentamente,

Nuno Quintaneiro Martins
Fonte: Bancada Norte 
(Foto: Orgulho Trofense)

9 comentários:

Terrace disse...

Pelos vistos é normal na Trofa, passamos o mesmo o ano passado...

Anónimo disse...

se os super dragoes tivessem mais mentalidade, ja que sao a claque mais representativa no porto, faziam-lhes a vida negra nos jogos. chega de repressao, mais uma vez, isto vai ser tudo arquivado. ACABar com eles

Anónimo disse...

a GNR é uma vergonha. é so filhos da puta. tamos connvosco pessoal. EXERCITO ROMANO VIZELA




abraços ultra

Anónimo disse...

Carreguem ultras!

Anónimo disse...

e assim lá foram eles todos contentes para casa.. uma investigaçao a esta escumalha e ficava tudo a conhecer onde realmente está a podridão, mas nao so os ultras vao dentro.. nao se vendam!

Anónimo disse...

É lutar contra estes cabrões. Depois ninguem vai aos estádios, obvio! Uma familia ir ver um jogo de futebol e tar esses ACAB a olhar para essas familias que principalmente as criança e as mulheres ficam intimidadas. Com tantos ACAB assim as pessoas ficam com mais receio ainda!!

Anónimo disse...

fdp dos acab eterno odio a esses porcos..
em casa sem tesao nu estadio com bastao..

84

Anónimo disse...

andam mais mansinhos nos jogos grandes, porque será? muitos ja foram parar ao hospital..

Anónimo disse...

Porque e qe nos ca em portugal nao fazemos como na italia , uma grande manifestaçao , ponde de parte os grupos , clubes e rivalidades , todo contras os acab , assim mesmo qe eles fizessem uma carga sobre nos nunca teriam hipoteses e podia ser qe aprendessem de uma vez por todas .
fica aqi a ideia , agora se acham boa ideia e começar a idealizala para matar acabs !!!


GUIMARAES MANDA

Enviar um comentário