14 novembro 2009

Mundial 2010: BÓSNIOS NA LUZ - Portugal vs Bósnia

Adeptos bósnios sempre presentes

CHEGAM A LISBOA VINDOS DE TODA A EUROPA CONFIANTES NO APURAMENTO


Quando uma seleção nacional se desloca ao estrangeiro, é normal que os seguidores dessa formação acompanhem os seus heróis. Contudo, as vicissitudes económicas e geográficas da Bósnia-Herzegovina, adversária de Portugal no playoff de acesso ao Mundial'2010, fazem com que a "migração" dos adeptos ganhe contornos bem particulares.

Para o desafio da 1.ª mão, esta noite, no Estádio da Luz, os BH Fanáticos, grupo de apoio à seleção balcânica, organizou como habitualmente um esquema bem montado para que não faltem vozes em Lisboa a gritar pelos pupilos de Miroslav Ciro Blazevic.

Desde a Bósnia seguem apenas mil adeptos, aqueles que têm capacidade financeira para pagar a viagem e suportar as muitas horas de camioneta e barco que a odisseia em causa impõe. Sim, porque apenas um grupo bem restrito conseguiu viajar de avião, um verdadeiro luxo no território.

Tratado o assunto dos bósnios... da Bósnia, faltava garantir apoio no canto mais ocidental da Europa. Uma questão resolvida em poucos dias. "Mantemos contacto diário e fomos falando com o pessoal dos Fanáticos que vive na Europa Central e na Escandinávia. Em pouco tempo ficou garantida uma verdadeira enchente no vosso país", revela Ilija Ozkan, um dos líderes do grupo.

"Temos bósnios espalhados por todo o lado e, numa altura como esta, em que para além do futebol decidimos a presença num evento que pode mudar o país em outras esferas, ninguém falha. Sabemos que podemos ter um futuro melhor depois de 180 minutos de jogo", rematou.

Movimento

A euforia em torno do encontro tem sido nota dominante e a alegria dos que há quatro dias saíram da capital Sarajevo, efetuando passagens por Croácia, Itália, Espanha e só depois Portugal, faz notícias nos jornais da região balcânica.
"Temos feito festa por onde passamos e estamos a conseguir o apoio de italianos e espanhóis. O nosso exército está a crescer", graceja um dos "viajantes" da ocasião que, alegando ter informações privilegiadas, garante "7 mil bósnios em Lisboa". Um número exagerado, mas que no cenário bélico usado pelos adeptos da seleção se poderá enquadrar como uma forma de intimidação. Dados para confirmar esta noite na Luz.


Fonte: Record


13 novembro 2009

Derby: BILHETES EM ALVALADE SÓ PARA SÓCIOS - Sporting vs Benfica [1]

Bilhetes só para sócios até três dias antes do «derby»


O Sporting decidiu prolongar o prazo da venda exclusiva dos bilhetes para o «derby» com o Benfica aos sócios do clube de 13 para 25 de Novembro. Uma decisão que o clube de Alvalade explica face à elevada procura de ingressos da parte de associados e dos núcleos para o jogo da 11ª jornada que está marcado para 28 de Novembro.

O clube vai, assim, prolongar a venda exclusiva para sócios até três dias antes do jogo, anunciando desde já que espera registar uma casa cheia para o embate com os vizinhos rivais.

Os preços dos bilhetes oscilam entre 30 e 45 euros. Para associados, os ingressos custam de 10 a 25 euros e entre 20 e 35 para acompanhantes de sócio/gamebox.




Fonte: PortugalDiário

Ler mais... AQUI

12 novembro 2009

Sporting: MEMBRO DA JUVE LEO NOVO DIRECTOR - 'Grande Capitão' Novo Director desportivo

Ricardo Sá Pinto, "o grande capitão", já é o director do futebol do Sporting. O antigo jogador dos leões aceitou o desafio de substituir Pedro Barbosa, mas o cargo terá outras implicações para além da direcção desportiva. O novo director já teve uma palavra a dizer na escolha do treinador. José Eduardo Bettencourt quer apresentar ambos amanhã.

O antigo capitão é uma boa escolha, segundo Carlos Xavier, Pedro Martins, Octávio Machado ou Manolo Vidal. " É uma boa escolha. Tem garra e é a imagem do clube, uma mais-valia e uma boa oportunidade, tenho a certeza que vai ter sucesso", afirmou Xavier. Já Pedro Martins, jogou com ele e agora treina o Varzim e não tem dúvidas de que "este era o desejo dele há muito", e espera que tenha mais sucesso e seja mais feliz no cargo do que Pedro Barbosa.

"Rapaz sensato, leal, honesto, que conhece a realidade do Sporting e pode ser muito útil ao clube", acredita Manolo Vidal, antigo dirigente dos leões. Já Octávio Machado treinou-o e sabe que "tem carisma, vontade de fazer coisas boas, e uma entrega total ao Sporting. Tentou acrescentar algo à sua experiência no futebol com o curso de Gestão Desportiva e agora pode tirar proveito disso".

E numa altura em que os adeptos parecem estar de costas voltadas para a equipa, o nome de Sá Pinto faz todo o sentido. É membro da Juve Leo e usou a camisola 76 no Standard Liège em homenagem à claque sportinguista, criada em 1976. A Juventude Leonina retribui o carinho em todos os jogos com uma tarja em honra do "grande capitão".

Ricardo Sá Pinto também ficou conhecido por "Ricardo Coração de Leão", pela entrega ao jogo e pela garra que o caracterizava dentro de campo. Nasceu no Porto a 10 de Outubro de 1972, dia do aniversário de José Alvalade, fundador do Sporting. O temperamento forte e o carisma não o deixaram cair no esquecimento dos adeptos.

Segundo fonte do clube "leonino", Sá Pinto, que exerce funções nas relações externas e internacionais do clube, fez mestrado em marketing e desporto, uma licenciatura em comunicação empresarial e um curso de direcção desportiva, no qual adquiriu conhecimentos e técnicas específicas para o desempenho de funções ao nível de um director desportivo de um clube profissional.

Em relação à escolha do treinador, o presidente José Eduardo Bettencourt, segundo a mesma fonte, já tomou a sua decisão entre um lote de vários candidatos pré-seleccionados, e pretende anunciá-la até sexta-feira, juntamente com o anúncio do novo director desportivo, depois de concretizadas as negociações que mantém com o técnico desejado, sendo certo que o actual treinador da Académica, André Villas-Boas, é um dos nomes que consta da referida lista.

Na opção por Sá Pinto pesou, também, a inegável popularidade e imagem muito favorável que goza junto da massa adepta do Sporting, factor ao qual o presidente José Eduardo Bettencourt não foi indiferente, numa altura em que persiste um afastamento dos sócios em relação à equipa de futebol e à estrutura dirigente.

Essa imagem favorável foi conquistada ao longo da sua carreira ao serviço do Sporting, pelo temperamento guerreiro, invulgar entrega ao jogo e carisma, ao ponto de ser visto como um símbolo para as várias claques do clube de Alvalade, entre as quais a Juventude Leonina, da qual é membro.

Esse temperamento, que lhe conferiu o epíteto de "Ricardo Coração de Leão", levou-o a cometer um acto irreflectido que marcou a sua carreira em Abril de 1997, quando se dirigiu de Alvalade para o Jamor para agredir o então seleccionador, Artur Jorge, depois de ter lido na imprensa que tinha sido preterido da convocatória para o jogo com a Irlanda do Norte, de qualificação para o Mundial de 1998, em França, por razões de natureza disciplinar ou o "chega para lá" a Rui Jorge, quando este recebeu a braçadeira de capitão, são apenas dois exemplos pouco felizes de um percurso profissional pleno de sentimento.

A agressão ao então seleccionador nacional, Artur Jorge, por não o convocar, valeu-lhe um castigo de um ano de suspensão em Portugal, o Sporting viu-se forçado a transferi-lo, por um preço inferior ao da sua cotação antes da agressão, para a Real Sociedad, de Espanha, onde permaneceu durante três anos, de 1997 a 2000.

Antes tinha ingressado no Sporting em 1994, proveniente do Salgueiros, realizando com a camisola verde e branca 77 jogos oficiais e marcando 20 golos, regressando a Alvalade depois da experiência no futebol espanhol.

De 2000 a 2006 voltou a jogar no clube do seu coração, em 97 jogos oficiais nos quais marcou 14 golos, tendo disputado o último jogo frente à Naval 1º de Maio, na antepenúltima jornada do campeonato 2005/06, no qual viu um cartão vermelho directo que precipitou o fim da sua carreira no Sporting, então sob o comando técnico de Paulo Bento com quem chegou a protagonizar alguns "choques".

Quando se pensava que poria termo à carreira futebolística, até pelos problemas de lesões que passaram a apoquentá-lo, ingressou no Standard de Liége, que representou até ao final da época 2006/07.

Actualmente com 37 anos, apresta-se para suceder ao anterior director desportivo, Pedro Barbosa, integrado na nova estrutura do futebol, na qual será o elo de ligação entre a SAD, a equipa técnica e os jogadores.

A primeira função de Sá Pinto está já a ser cumprida: ajudar na escolha e contratação do novo técnico.

Daqui para a frente, o ainda oficialmente membro do departamento de expansão leonino e membro da Juventude Leonina vai encarar um duplo cenário: atacar o mercado de Inverno para reforçar a equipa e planear a próxima época.

Sem dar a luta pelo título como perdida na actual temporada, todos em Alvalade reconhecem que muito dificilmente o atraso será recuperável, dada a dinâmica de Benfica e Sp. Braga e o avanço do F. C. Porto.

Por isso, tanto os reforços de Inverno, a serem alcançados, como o novo técnico, que tudo indica ser português, sendo esta também a preferência do novo director desportivo, terão nos horizontes preparar a próxima temporada com todas as condições.

É essa a mensagem que Sá Pinto e Bettencourt vão passar para os sócios e adeptos quando as decisões forem assumidas, como o presidente disse, amanhã, sexta-feira 13.


11 novembro 2009

Benfica: CLAQUE ALVO DE REPRESSÃO POLICIAL - Detidos 33 elementos dos ‘No Name Boys’



Acção repressiva deteve elementos dos 'No Name', envolvidos na claque e ligados ao crime violento.
Apreendidas armas e droga.
Alinhar ao centro


33 elementos da claque afecta ao Benfica, ‘No Name Boys’, foram detidos este domingo, na maior acção alguma vez executada contra o crime violento a envolver uma claque de futebol.

A procuradora da República Cândida Vilar esteve pessoalmente nas instalações da esquadra da PSP de Benfica a dirigir estas operações. Garantiu o interrogatório, numa só noite, a 20 arguidos.

Era domingo quando foi desencadeada a maior acção alguma vez executada contra o crime violento, a envolver uma claque de futebol, cuja investigação começou na PSP e subiu ao mais alto nível da Unidade Especial de Contra o Crime Especialmente Violento do DIAP.

Além dos 33 detidos, foram apreendidos várias armas de fogo, diversos géneros de droga, soqueiras, armas eléctricas, bestas, bastões e tacos de basebol.

O Ministério Público classificou-a como uma "acção de acentuado impacto repressivo e preventivo no combate à criminalidade altamente organizada e especialmente violenta no âmbito do desporto. Uma actuação que prestigia o Ministério Público, com um exemplo de coragem, combatividade e firmeza".




Fonte: DN/A Bola

Mundial 2010: 3600 BHFANATICOS NO ESTÁDIO DA LUZ - Portugal vs Bósnia



Bósnia teme desacatos no Estádio da Luz


A Federação da Bósnia está em pânico com a possibilidade dos seus adeptos causarem problemas graves no Estádio da Luz, no próximo sábado.

De acordo com a FIFA, tal poderá motivar a sua expulsão imediata dos play-off e, por consequência, do Campeonato do Mundo, dado haver precedentes importantes.

A 28 de Março deste ano, o jogo entre a Bélgica e a Bósnia-Herzegovina, realizado em Bruxelas, foi interrompido durante oito minutos, devido ao lançamento de foguetes para o relvado e pelo facto de um adepto ter invadido o campo.

Naturalmente, o organismo máximo do futebol mundial não gostou e não perdoou: multou a selecção dos balcãs em 33 mil euros e, mais importante do que isso, declarou, a 15 de Maio, que perderia pontos ou seria imediatamente eliminada caso houvesse novos problemas graves.

No dia do sorteio, que ditou Portugal como adversário, os bósnios quase só quiseram falar de segurança. Solicitaram insistentemente que fossem colocadas vedações especiais na zona do Estádio da Luz, o que transformaria o local numa espécie de galinheiro ou de jaula, onde sábado se instalarão os seus adeptos (prevê-se a presença de 3600).

O pedido foi mais tarde recusado, dado que esse tipo de material não está disponível para aquele recinto desportivo. A segurança será assegurada pelas barreiras naturais do estádio e pelos "stewards", como acontece numa partida normal. A esmagadora maioria ficará dos bósnios instalada no Piso 0, local onde ficam as claques dos clubes adversários do Benfica, e o resto nos lugares VIP do recinto.

No entanto, os mais problemáticos estarão sob o olhar atento de um oficial de segurança, especialmente nomeado pela FIFA, tendo em conta o passado recente da selecção. A FPF não está preocupada com o assunto, limitando-se apenas a preparar o recinto do melhor modo possível.


Fonte: JN



09 novembro 2009

Sporting CP: SÓCIO DESAFIA BETTENCOURT - Quem financia "cretinos"?




Sócio desafia Bettencourt a dizer quem financia "cretinos"
WILSON TEIXEIRA CRITICA DURAMENTE O LÍDER


O sócio Wilson Teixeira desafiou o presidente do Sporting, José Eduardo Bettencourt, a revelar publicamente quem apoia e financia os associados que apelidou de "cretinos" na conferência de imprensa de sábado.

Em comunicado, elaborado na sequência daquilo que considerou serem "declarações pouco lúcidas, hilariantes e difamatórias", Wilson Teixeira, 22 anos, diz que não é "financiado nem apoiado por ninguém" e que até tem dificuldades na vida, que o "impedem de apoiar o Sporting" muitas vezes.

O associado, que referiu "já ter sido alvo de uma tentativa de agressão" perpetrada por José Eduardo Bettencourt, afirmou que não é "pau mandado de ninguém" e que tem apenas como objectivo "defender o Sporting das políticas (...) incompetentes e prejudiciais ao clube".

Sócio do Sporting há 18 anos, com número 95629-0, Wilson Teixeira acusou o presidente de ofender os filiados e salientou que Bettencourt "já não possui sanidade mental nem competência suficientes para o cargo que ocupa".

Wilson Teixeira criticou ainda o dirigente de classificar como "anormais" sócios de um "clube democrático", que "têm o direito de emitir as suas opiniões, independentemente do seu número de associado ou de anos de filiação".

"Lamento, veementemente, que o presidente do Sporting queira fazer do clube uma anarquia ou uma ditatura (...), com os sócios que querem emitir as suas opiniões a serem constantemente censurados e alvos de repressão policial no interior e no exterior do Estádio José Alvalade", disse.




Fonte: Record

Tribunal: SUPER DRAGÕES EM JULGAMENTO - Venda de bilhetes, resistência e coacção [1]

Super Dragões julgados por travar à força detenção

Fernando Madureira entre os acusados de incidente que começou com venda de bilhetes



Fernando Madureira, líder dos Super Dragões, e outros dois membros da claque começaram, a ser julgados por alegadamente terem impedido à força agentes da PSP de deter um vendedor de bilhetes.

O caso ocorreu em 12 de Outubro de 2005, junto ao Estádio do Dragão, no Porto, quando elementos da PSP abordaram dois indivíduos (Adriano S., agora com 80 anos, e Bruno M., de 28, também arguidos no processo) por suspeitas de que se dedicavam à venda ilícita de bilhetes para o jogo F. C. Porto-Benfica, a realizar-se quatro dias depois. Os ingressos tinham marcado o preço de 20 euros, mas seriam vendidos por 50 euros.

Enquanto o mais velho estava na posse de seis bilhetes e de 260 euros em dinheiro, o jovem tinha 16 bilhetes e 670 euros. Os polícias informaram-nos, então, de que teriam de ser transportados à esquadra para identificação.

Foi na altura em que Adriano já estava dentro de um carro da PSP que surgiram Fernando Madureira, Hélder M. e António O., acompanhados, segundo a acusação, por mais de 20 indivíduos da claque portista. O objectivo: "soltarem" o arguido e "impedir a actuação dos agentes". O grupo, cujos restantes elementos não foi possível identificar, terá rodeado, empurrado e agarrado os polícias, além de desferir murros e palmadas na viatura policial. Adriano S. acabaria por conseguir sair do carro e evitar ser levado para a esquadra. Os três acusados, sustenta o Ministério Público, ainda terão dito aos polícias: "Isto não fica assim, vou f...-vos e, vou fazer-vos a folha". Estão a ser julgados por resistência e coacção.

Já, prestaram depoimento Adriano e Bruno - julgados pelo crime de especulação - que negaram dedicar-se ao comércio ilegal de bilhetes. O primeiro alegou ser vendedor de "revistas e bonecos", entre outros adereços do F. C. Porto, e que, na altura, só tinha "dois bilhetes", que o arguido Bruno lhe teria entregue para ele "despachar". Quanto aos distúrbios, disse que apenas se apercebeu de um "burburinho", sem nada ter visto. Já Bruno justificou a posse dos 16 bilhetes por ser chefe de núcleo dos Super Dragões e referiu que "ofereceu" a Adriano dois ingressos "que tinha a mais", para um jogo da selecção a decorrer nesse dia, no Dragão.


“Uma história bem surreal”. Foi desta forma que Fernando Madureira, líder dos Super Dragões, qualificou, no Tribunal do Bolhão, no Porto, a acusação de que é alvo. Segundo o MP, Madureira – conhecido por ‘Macaco’ – e mais dois membros da claque do FC Porto impediram, à força, agentes da PSP de terem detido Adriano, de 80 anos, por suspeita de venda ilícita de bilhetes para um encontro entre dragões e o Benfica.


Tudo aconteceu a 12 de Outubro de 2005, antes de um jogo entre Portugal e Estónia, no Estádio do Dragão. De acordo com a acusação, Bruno, de 28 anos, e Adriano, foram apanhados por agentes da PSP à paisana a venderem os ingressos para o clássico a 50 euros, quando o preço marcado era de 20. Adriano já se encontraria na carrinha para ser levado para a esquadra quando Fernando Madureira, Hélder Mota e António, acompanhados por mais 20 adeptos, empurraram e insultaram os agentes, permitindo a fuga do octagenário.

“Vi um burburinho e aproximei-me, com mais uma ou duas pessoas. Perguntei a um agente se era necessária aquela intervenção. Ouvi insultos e vi sapatadas na carrinha da polícia, mas não molestei nem ameacei ninguém. Depois a carrinha arrancou”, garantiu ‘Macaco’, que se deslocou depois dos incidentes à esquadra da PSP, onde encontrou Bruno – então chefe do núcleo dos Super Dragões do Cerco do Porto – e “mais cinco lisboetas”. “Aí chegou o senhor Adriano, a chorar e a dizer que ficou sem os 51 contos que eram para pagar as suas contas. Pedi à PSP para devolver o dinheiro ao homem que passa dificuldades, mas não deram”, continuou o líder dos ‘Super’.

Bruno e Adriano – figura conhecida dos adeptos portistas por, já há décadas, vender doces e revistas junto ao estádios das Antas e do Dragão ou até mesmo do Campo da Constituição – são acusados de especulação, enquanto Madureira, Hélder Mota e António são arguidos por resistência e coacção.





Fonte: CM/JN